Por que carro elétrico não possui marcha?

Uma das maiores diferenças entre os carros elétricos e os convencionais – movidos à combustão, está na direção automática. Um veículo de combustão interna tem uma caixa de transmissão de várias velocidades com várias relações; quase todo carro elétrico tem uma transmissão de velocidade única.

Implicitamente, isso faz sentido. Um motor elétrico fornece um torque máximo a zero RPM. Ao contrário de um motor de combustão interna (MCI), ele não precisa de um sistema para desconectá-lo do sistema de transmissão para permitir que ocorra o aumento da velocidade e o alcance da potência de pico. Ele só precisa de uma boa relação que entregue boa aceleração e velocidade máxima.

Os motores elétricos têm uma faixa de rotação muito maior do que o típico motor de combustão interna – isso é verdade mas não para nossos veículos, pois a velocidade máxima que eles atingem é de 60 km/h. E, ao contrário de um motor a gasolina ou diesel, um motor elétrico produz a melhor potência em uma faixa incrivelmente ampla de RPMs. Então, em vez de embalar o carro com várias marchas para manter o motor em sua zona de pico, os projetistas de carros elétricos escolhem apenas uma relação de transmissão que ofereça um bom compromisso entre a aceleração e a velocidade máxima. Basicamente, a faixa de rotações por minuto de um motor elétrico é muito maior do que a dos propulsores convencionais, chegando a mais de 20 mil RPM.